ECOABELHAS: Por um mundo de douçura e mel

Abelha Mandaçaia (Melipona mandacaia).

Os índios sabiam do porquê dar nomes com significados aos animais e vegetais. Mandaçaia é uma palavra indígena que significa “vigia bonito” - mandá= vigia e çai= bonito.  Assim, o nome Mandaçaia vem do fato de haver no orifício de entrada da colônia uma abelha sempre de prontidão para proteger o ninho: a vigia.

A Mandaçaia é uma abelha nativa, 100% brasileira, sem ferrão, muito mansa e sua criação racional deve ser valorizada porque é através dela que muitas plantas nativas são polinizadas. Preservá-la é preservar o nosso patrimônio natural.

Abelha Iraí ( Ira: abelha, mel ; Y: rio).

A abelha Iraí -  Nannotrigona Testaceicornis, é bem pequena -mede em torno de 4 mm de comprimento. Seu nome vem do 
Tupi e significa Rio do Mel ( Ira: abelha, mel ; Y: rio).

Constrói seu ninho onde quer que encontre ocos: árvores, moirões de cerca, paredões de pedra, por isso, é muito comum encontrá-las em áreas urbanas. 

A entrada da Colônia é um tubo, semelhante a um canudo curto, feito com cerume pardo ou escuro, 
Em torno do qual se encontram  sempre várias abelhas guardiãs. 

De coloração preta, a Iraí é uma espécie bastante comum,  tímida, mansa e  de fácil manejo. Tem o interessante  hábito de fechar a 
entrada da sua colônia ao cair da noite, e abri-la ao amanhecer.

A colônia tem uma população estimada de 2.000 a 3.000 habitantes que, além de grande 
quantidade de própolis puro e viscoso que usam para defesa de seu ninho, produzem mel saboroso de excelente qualidade, porém em pequena quantidade, cerca de 300gr/ano. 

O mel da iraí é um bom complemento nutricional e agente terapêutico. Possui potentes propriedades antimicrobianas em função de diversos compostos como o peróxido de hidrogênio, outras enzimas e fontes florais,mas perde parte de sua eficácia se exposto à luz. 

Devido a baixa produção de mel, a Iraí não é criada para este fim, entretanto por seu comportamento 
manso e rústico, é muito requisitada como agente polinizador para estufas e pequenas plantações.

Abelha Mirim Plebeia Droryana

Foi instalada a nossa terceira Colônia  das abelhas indígenas nativas sem ferrão. Agora foi a vez da ABELHA MIRIM PLEBEIA DRORYANA, completando assim,  o primeiro ciclo do nosso projeto “Ecoabelhas: por um mundo de doçura e mel”. 

Hoje temos,  além das 3 Colônias que implantamos, mais duas  que nidificaram  espontaneamente no oco do abacateiro e no muro de pedras em frente a nossa horta.

A partir daí, o nosso meliponicultor Cristiano fará, periodicamente, a manutenção das Colônias com a participação das crianças que terão muitas oportunidades de incorporarem  conhecimentos diversos.

Sobre a Mirim Plebeia Droryana

Abelha rústica e resistente, a abelha Mirim Plebeia Droryana é uma abelha social e com uma população de 2 a 3 mil abelhas por colmeia.

Conhecida popularmente como Abelha-Mosquito, Jataí-Mosquito, Jataí-Preta e Jati-preta, é pequena e mansa.

De corpo escuro, possui uma mancha amarela em forma de gota na parte frontal da cabeça. Nidifica em fendas de árvores ocas e buracos nas rochas ou muros, desde que os ocos ou fendas sejam de tamanho apropriado e não aquecidos pelo sol em demasia. 

A entrada do seu ninho é feita com própolis e cerume de coloração branco-amarelada, quase transparente. Se o ninho está em local escuro, o pito é maior e direcionado para o lado da claridade. 

Frequentemente há duas entradas no mesmo pito, uma menor e circular, logo acima da entrada principal, e outra, que fica abaixo, com formato de fenda, que possibilita a passagem de 3 abelhas por vez. 

Nesta espécie, ocorrem machos normais ou gigantes, ambos são tratados da mesma maneira pelas operárias.

A Plebeia droryana produz mel apreciado, porém escasso. Normalmente não ultrapassa meio litro por ano. 

Fontes: Embrapa, USP, WebBee e Wikip

Benefícios para a criança

- Conhecer a vida social das abelhas, entendendo que são importantes agentes da polinização e conservação da biodiversidade, e que, portanto, precisam ser protegidas.

- Acompanhar o desenvolvimento da Colônia, observando toda a sua estrutura interna e sua produção: pólen, mel, própolis, geleia real, geoprópolis e cerume.

- Ter a oportunidade de colher e fazer a degustação do mel in natura.  

 

CURIOSIDADES

 

Apicultura-  ciência ou arte da criação de abelhas com ferrão.

 

Meliponicultura - é a criação de abelhas sem ferrão

 

Até 1841 só tínhamos abelhas nativas. Seu mel era usado pelos indígenas para adoçar suas bebidas. Acreditavam também que o mel continha propriedades medicinais, e entre elas, o tratamento de catarata.

 

Em 1841, os jesuítas trouxeram da Europa, algumas espécies com ferrão, pois as nativas não produziam cera, necessária para a fabricação de velas.

 

Em 1956 foram introduzidas as africanas, para a produção do mel em larga escala.

1/5
BNCC.jpg
parceiros_asbrei.png

Rua Sabóia Lima, 41 - Tijuca

Rio de Janeiro RJ, 20521-250

(21) 3234-1786

© 2019 |